Terapia infantil: como funciona e quais os benefícios?

Terapia Infantil: uma psicologa mostrando um emoji feliz para uma criança.

Assim como adultos e pessoas em outras faixas etárias, as crianças apresentam necessidades emocionais as quais não conseguem superar. Para auxiliar nessas dificuldades, a terapia infantil é indicada.

Essa modalidade de atendimento psicoterapêutico nem sempre é conhecida por pais e responsáveis, visto que seu atendimento é diferente em relação ao destinado ao adulto. A seguir, continue a leitura para conhecer mais sobre a terapia infantil, seus benefícios e quando ela é indicada.

O que é a terapia infantil?

A terapia infantil é um tratamento voltado para crianças em que o atendimento psicoterapêutico considera as necessidades emocionais e psíquicas. Visto que nos primeiros anos de vida da criança o foco é seu desenvolvimento, as novas etapas em seu crescimento contemplam a criança com consciência de si, funcionamento do corpo, relações sociais e emoções.

Dessa forma, é errôneo acreditar que a criança apresenta a mesma compreensão dos acontecimentos e sentimentos. Afinal, ela ainda não consegue discernir nem expressar o que sente. 

Considerando que o gerenciamento dessas emoções não é uma tarefa fácil, a criança se expressa por meio de choros, gritos, gargalhadas, e outras ações típicas.

Por isso, a abordagem da terapia infantil visa auxiliar na compreensão das aflições, desejos e anseios, permitindo entender e tratar as causas dos desconfortos emocionais, visto que os pequenos não apresentam capacidade de fazê-los sozinhos.

Como funciona a Terapia Infantil?

A terapia infantil utiliza a ludoterapia, abordagem que necessita de especialização para o trabalho com crianças. A partir dessa capacitação, o psicólogo é habilitado a utilizar técnicas e métodos lúdicos para auxiliar diversos campos de desenvolvimento infantil.

Dessa forma, a principal linguagem na terapia infantil é o brincar. Por meio de atividades e brincadeiras, a criança pode expressar seus pensamentos, impressões, vontades, sentimentos e medos. Dessa forma, a ludoterapia tem como foco o lúdico para auxiliar na saúde mental e emocional.

Quais são os sinais que indicam que uma criança precisa do auxílio de um psicólogo(a)?

As ocasiões e sinais em que a criança aparenta necessitar de terapia, são:

  • Gritos, choros e outras reações intensas/agressivas com o tempo;
  • Alteração nos hábitos alimentares;
  • Problemas no aprendizado;
  • Dificuldade de socialização;
  • Crises de choro frequentes;
  • Pesadelos, terrores noturno;
  • Medo irracional e frequente;
  • Adoção de uma criança;
  • Isolamento prolongado;
  • Destruição de objetos;
  • Morte de um familiar;
  • Ansiedade extrema;
  • Dificuldades na fala;
  • Divórcio.

Os pais podem procurar a terapia infantil sempre que perceberem comportamentos atípicos ou após eventos traumáticos e estressantes para os filhos. Em crianças pequenas, é natural a mudança drástica de comportamento ao longo de seu desenvolvimento.

Muitas vezes isso pode ser confundido com algo patológico. Por isso, é indicado que a criança seja levada até um especialista em terapia infantil somente a partir dos 2 anos. Contudo, em caso de dúvida, pode-se consultar um psicólogo antes desse tempo.

Quais são os benefícios da Terapia Infantil?

São muitos os benefícios da terapia infantil para o desenvolvimento da criança. Entre os principais, estão:

  • Contribui para que a criança saiba lidar com problemas familiares e de relacionamento;
  • Auxilia a criança a lidar com problemas emocionais;
  • Melhora na comunicação e as habilidades sociais;
  • Ajuda a melhorar a autoestima e autoconfiança;
  • Apoio para lidar com traumas e estresse;
  • Colabora no desempenho acadêmico.

Qual é a importância dos pais na terapia infantil?

Para o sucesso da terapia infantil, a presença dos pais é fundamental. Afinal, a família é o principal pilar emocional, psicológico e social da criança. 

Desse modo, os familiares que convivem diariamente com o pequeno devem acompanhar seu progresso no tratamento. Assim, a participação dos pais ocorre por meio de sessões com o psicólogo.

Na primeira consulta, o profissional recebe pais ou cuidadores para obter informações sobre o comportamento da criança, seus primeiros dias de vida, período gestacional, dinâmica familiar e mais.

A partir de dados como esses, o psicólogo pode desenvolver a melhor conduta junto às observações realizadas durante as sessões de terapia infantil com a criança.

Terapia online também é para crianças?

O atendimento online pode trazer muitos benefícios à criança e aos pais. Atualmente, essa modalidade tornou-se popular, diminuindo o absenteísmo diante das sessões. Isso porque, é possível ter flexibilidade nos horários de atendimento, além de evitar deslocamentos.

Essas particularidades são vantajosas especialmente para crianças em idade escolar, visto que nem sempre encontrar um horário na agenda da criança e dos pais é uma tarefa fácil. Por isso, a terapia na modalidade online facilita as sessões por sua praticidade e dinamismo.

Como escolher uma psicóloga ou um psicólogo infantil

Para escolher uma psicóloga ou psicólogo infantil, alguns cuidados devem ser seguidos. É importante certificar-se sobre as credenciais do profissional. Além disso, conhecer melhor o indivíduo e avaliar custos das sessões são questões que não podem ficar de fora da seleção.

Certifique-se sobre a formação

Para atuar na terapia infantil, o indivíduo deve ser graduado em psicologia e especializado em ludoterapia, além de possíveis outras formações para atender melhor o público pueril. Também é obrigatório o registro no Conselho Regional de Psicologia.

Conheça mais sobre o profissional

Conhecer melhor o psicólogo é indispensável. Portanto, uma boa ideia é reunir as principais dúvidas em uma lista e pedir que sejam esclarecidas no primeiro contato. Assim, é possível avaliar itens como empatia e confiabilidade durante a conversa.

Avalie o custo

Ainda que não seja o principal fator decisivo, é importante avaliar o custo das sessões. Afinal, a terapia infantil requer tempo. Por isso, os pais e responsáveis devem programar-se financeiramente para o tratamento, avaliando as melhores possibilidades diante de seu orçamento.

Como a Valem pode ajudar

Nós, da Valem, somos uma administradora de benefícios. Desse modo, visamos oferecer as melhores soluções para clientes e parceiros por meio da prestação de serviços e preços justos. 

Atualmente, temos como parceiras algumas das melhores e maiores operadoras de planos de saúde do Brasil, como a Unimed, que dispõe de profissionais especializados no atendimento psicológico para adultos e crianças.

Agora, você já conhece os benefícios da terapia infantil e como ela pode contribuir para o desenvolvimento da criança. Portanto, ao observar comportamentos atípicos, não hesite em buscar ajuda profissional, garantindo assistência de qualidade para seu filho.

Ficou interessado em obter um plano de saúde que atenda toda sua família? Então, conheça a Valem!

Como diminuir o estresse: confira 12 dicas práticas

como diminuir o estresse: uma mulher jovem com o tom de pele negro, sentada no chão com as mãos sobre a cabeça.

Já passou por aquele momento do dia em que tudo o que você quer é gritar ou descontar sua frustração em algo (ou alguém)? Pois é, todos enfrentamos esses instantes de tensão. Mas você sabe como diminuir o estresse e tornar seu dia a dia mais leve?

Viver na correria e no automático pode levar ao acúmulo de uma série de emoções negativas que afetam a saúde física e mental, e isso mexe com o bem-estar e as atividades rotineiras. Por isso, é importante adotar algumas práticas simples, mas eficazes, para evitar o excesso de estresse e manter o equilíbrio emocional.

Neste artigo, vamos compartilhar 12 dicas com pequenos ajustes e hábitos que, pode acreditar, podem mudar totalmente a sua forma de lidar com as pressões do dia a dia. Confira!

Quando o estresse não é normal?

O estresse é uma reação natural do corpo diante de situações que exigem mudança ou adaptação. Em pequenas doses, o estresse pode ser benéfico, pois nos motiva a enfrentar os desafios e a superar os obstáculos.

Porém, quando o estresse se torna crônico ou excessivo, ele pode prejudicar a nossa saúde física e mental, causando sintomas como dores de cabeça, ansiedade, depressão, irritabilidade, problemas digestivos, insônia, entre outros. Por isso, é fundamental saber como lidar com o estresse e reduzir os seus efeitos negativos.

Como diminuir o estresse?

Existem diversas estratégias que podem ajudar a diminuir o estresse. A seguir, apresentaremos algumas delas. Confira!

1. Pratique exercícios físicos

Os exercícios físicos são uma das formas mais eficazes de combater o estresse, pois eles liberam endorfinas — as substâncias químicas que nos dão uma sensação de bem-estar e prazer.

Além disso, a atividade física melhora a capacidade respiratória, a circulação sanguínea, a força muscular e a autoestima. Escolha a modalidade que mais agrada você, seja caminhar ou mesmo dançar. O importante é se movimentar regularmente, pelo menos três vezes por semana, no mínimo 30 minutos cada sessão.

2. Identifique o agente estressor

O agente estressor é o fator que desencadeia a resposta de estresse. Pode ser uma situação, uma pessoa, um objeto, um pensamento, uma emoção, entre outros.

Nem sempre é fácil identificar esse agente, por isso, preste atenção aos sinais que o corpo e a mente dão. Alguns exemplos são:

  • tensão muscular;
  • taquicardia;
  • sudorese;
  • nervosismo;
  • medo;
  • raiva.

Uma vez identificado, você pode tentar eliminá-lo, modificá-lo ou se adaptar a ele, conforme as possibilidades e limitações.

3. Evite se preocupar com o que não pode ser controlado

Muitas vezes, o estresse surge quando nos preocupamos com situações fora do nosso alcance ou que não dependem exclusivamente de nós. Por exemplo, o trânsito, o clima, a opinião dos outros, o futuro…

Essas preocupações podem consumir energia e tempo, sem trazer nenhum benefício. Por isso, é melhor focar no que pode ser controlado. Assim, você sentirá mais confiança, tranquilidade e satisfação naquilo que faz.

4. Medite

A meditação é uma prática milenar que consiste em concentrar a atenção no presente, sem julgar, analisar ou reagir aos pensamentos e sentimentos. Ela ajuda a relaxar, respirar melhor, acalmar a mente e, consequentemente, reduzir o estresse.

Existem vários tipos de meditação. Você pode experimentar diferentes técnicas e encontrar a que mais lhe convém. O ideal é meditar todos os dias, por pelo menos 10 minutos, em um ambiente silencioso e confortável.

5. Alimente-se corretamente

Você pode não perceber, mas a alimentação tem um papel fundamental na nossa saúde e bem-estar. Uma alimentação equilibrada, rica em frutas, verduras, legumes, cereais integrais, proteínas magras e gorduras boas, fornece os nutrientes necessários para o bom funcionamento do organismo.

Além disso, alguns alimentos têm propriedades que ajudam a combater o estresse. Por exemplo:

  • chocolate amargo: contém antioxidantes e estimula a produção de serotonina, o hormônio da felicidade;
  • chá-verde: contém teanina, um aminoácido que promove o relaxamento;
  • nozes: contém ômega-3, um ácido graxo que melhora o humor e a memória.

Por outro lado, deve-se evitar ou moderar o consumo de alimentos que podem aumentar o estresse, como o café, o álcool, o cigarro, o açúcar, a gordura saturada e os alimentos processados.

6. Não se cobre tanto

Muitas vezes, somos os nossos próprios inimigos, pois nos cobramos demais, nos comparamos com os outros, nos criticamos e nos culpamos. Essas atitudes podem gerar frustração, insatisfação, baixa autoestima e estresse.

Por isso, seja mais gentil e compreensivo consigo mesmo, reconhecendo seus valores, talentos, esforços e progressos. Também é importante ter metas realistas e flexíveis, que sejam coerentes com a sua capacidade e possibilidades.

7. Aprenda a dizer “não”

Saber dizer “não” é uma habilidade essencial para preservar a saúde e o bem-estar. Em alguns momentos, aceitamos fazer coisas que não queremos, gostamos ou podemos, por medo de desagradar, de magoar, de perder e errar.

Isso pode ser muito estressante. Então, aprenda a dizer “não” quando necessário, sem culpa, vergonha, mas de uma maneira passiva. Dizer “não” significa dizer “sim” para você, respeitar seus limites, prioridades e valores. Também significa respeitar os outros, pois você está sendo honesto e claro com eles.

8. Encontre um hobby de que goste

Ter um hobby pode ajudar a diminuir o estresse ao permitir que você escape da rotina, libere a criatividade e desenvolva habilidades. Escolha o hobby que mais lhe agrade, como:

  • ler;
  • escrever;
  • pintar;
  • cozinhar;
  • tocar um instrumento;
  • aprender um idioma.

O importante é dedicar um tempo para si, para fazer algo que lhe faça bem.

9. Programe pausas diárias

As pausas diárias são importantes para prevenir e aliviar o estresse. Você pode programar conforme a sua rotina, mas o ideal é que elas sejam frequentes e curtas, por exemplo, a cada hora, por 10 minutos.

Aproveite esse momento para fazer algo que lhe agrade, como comer uma fruta, ouvir uma música, conversar com um colega, brincar com o seu pet, caso trabalhe de home office etc.

10. Durma bem

Dormir bem permite restaurar o corpo e a mente. Isso diminui o estresse ao proporcionar um descanso adequado e aumento da disposição. Para melhorar a qualidade do seu sono, siga as seguintes dicas:

  • tenha uma rotina regular de horários;
  • evite estimulantes como café, álcool e cigarro;
  • não deixe as luzes e ruídos no ambiente que irá dormir;
  • faça atividades relaxantes como ler, ouvir música, meditar etc;
  • evite usar aparelhos eletrônicos antes de dormir.

11. Evite sobrecarga

A sobrecarga pode ocorrer em diferentes áreas da nossa vida, como no trabalho, nos estudos, na família, nos relacionamentos. Para evitar essa situação, não assuma mais responsabilidades do que pode cumprir.

Outra dica é planejar seu tempo, organizar suas atividades, delegar o que puder, priorizar o que é mais importante, eliminar o que é desnecessário, entre outras.

12 Procure ajuda de profissional especializado

Por fim, se perceber que seu nível de estresse está excessivamente elevado, ao ponto de impactar sua saúde, é essencial buscar o suporte de um profissional especializado, como psicólogo, psiquiatra ou terapeuta.

Esses especialistas são capacitados para compreender as origens, sintomas e impactos do seu estresse, fornecendo orientações personalizadas para o seu caso

Eles podem propor um plano de tratamento individualizado, que pode incluir terapia, medicação, técnicas de relaxamento, entre outras abordagens, visando à sua saúde e bem-estar.

Resumindo, o estresse é uma realidade que faz parte da nossa vida, mas que não precisa nos dominar. Podemos aprender como diminuir o estresse adotando hábitos saudáveis, buscando apoio e cuidando de nós mesmos

Antes de ir, confira também outro artigo do nosso blog: O que é Burnout? Entenda esse problema comum entre os jovens.